É Serra na fita

Serra, fita crepe, metro e webcâmera

Material usado na investigação

Esta matéria investigativa tem o objetivo didático de mostrar aos meus alunos como se faz análise de material digital. A fim de despertar interesse dos estudantes, uso um fato midiático de grande repercussão, embora de importância reduzida.

O perito em áudio Ricardo Molina de Figueiredo sustenta que um vídeo de celular identificou um rolo de fita adesiva batendo na cabeça do candidato à presidência do Brasil, José Serra, em passeata. Uma mancha identificada como rolo de fita adesiva aparece em apenas um quadro do vídeo. Decupado quadro a quadro, já mostrei que o “rolo” é apenas um artifact de compressão de vídeo: um defeito de compressão que aparece como um quadrado de bordas bem definidas, retas, com o interior borrado e difuso.

A justificativa de Molina para a mancha aparecer em apenas um único quadro do vídeo é de que a velocidade do rolo de fita seria muito alta, cerca de 40 km/h.

A dúvida que um jornalista investigativo deve procurar responder é: a fita arremessada poderia ser captada em um vídeo de celular?

Para testar a hipótese, montei facilmente um Serra falso (que batizei de SerraBuster) e atirei com força — mas sem raiva — um rolo de fita crepe em sua cabeça (não tentem fazer isto em casa ou com o candidato verdadeiro). Gravei, com o programa Linux ffmpeg, um vídeo a 15 quadros por segundo e dimensões de 320 x 240 pixels, em formato mpeg4, semelhante ao formato 3GP usado em celulares. A linha de comando foi esta:

ffmpeg -t 600 -f video4linux2 -s 380x240 -r 15 \
-i /dev/video1 -f mp4 webcam.mp

A qualidade de webcâmera é melhor do que a do celular. Mas, o que importa, neste caso, é a taxa de quadros por segundo. Depois, salvei o trecho em imagens jpeg, pelo programa Avidemux. O resultado aparece na sequência abaixo:

A distância entre as duas posições do rolo, antes de bater na cabeça falsa de SerraBuster e deixá-lo meio grogue, foi de 70 cm, aproximadamente. Os quadros de vídeo são capturados a cada 66,6 milésimos de segundo (um segundo dividido por 15 quadros). Regra de três que todo jornalista deve saber fazer: se o rolo percorreu 0,7 metro em 0,066 segundo , em uma hora (3600 segundos) teria percorrido 37,8 quilômetros (0,7 m × 3600 s ÷ 0,066 s). Velocidade de 38 km/h, aproximadamente os 40 km/h que Molina alega que a suposta fita adesiva teria.

Indício de fraude

No laudo preparado por Molina, ele diz que o celular captou um quadro a cada 500 milissegundos. Isso equivale a 2 quadros por segundo (frames per second — fps), taxa completamente irreal.

‘O fato de a filmagem não mostrar a trajetória do objeto no evento “fita” está dentro das expectativas. Com efeito, o celular usado na captação das imagens, captura poucos frames por segundo, como se pode depreender do intervalo de quase 500 ms entre frames consecutivos. Assim, supondo que o objeto se deslocasse a cerca de 40 km/h, o que equivaleria a 11.11 m/s, a definição “espacial” do celular usado seria de aproximadamente 5.6 m, ou seja, como o celular só capta um frame a cada 500 ms, seria impossível captar qualquer imagem da trajetória do objeto que atingiu o candidato à distância em que se encontrava o repórter da Folha que realizou as imagens.’ (MOLINA, 2010)

A análise do vídeo da Rede Globo mostra que cada quadro foi duplicado. A TV NTSC tem 29,97 quadros por segundo. O vídeo do celular tem então metade desta taxa, cerca de 15 quadros por segundo.

Pelo Avidemux no meu Linux Ubuntu, verifiquei que vídeo original (segunda cópia, na verdade) publicado pela Folha.com tem 913 quadros em 30,491 segundos (29,94 fps), mas muitos quadros também estão duplicados, em função de sua conversão para Flash video (flv), e o vídeo visivelmente sofreu edições, como congelamento, zoom e fusão de imagens.

Em uma amostragem rápida nos primeiros 112 quadros do vídeo, em 3,7 segundos, 2 quadros estão repetidos 6 vezes, 4 quadros estão repetidos 4 vezes (são, então, 6 quadros em vez de 28 quadros) e os 84 restantes aparecem 2 vezes. Isso resulta em 2 + 4 + 42 = 48 quadros em 3,7 s, ou aproximadamente 12,97 fps. Esta deve ser a taxa de quadros do celular (atualização: o blogueiro Roberto Takata apurou que o celular do repórter da Folha, Italo Nogueira, era um Nokia E71, que grava a 15 quadros por segundo).

A uma taxa de quadros próxima a esta, em meu experimento com SerraBuster, claramente se vê que o rolo de fita adesiva deveria aparecer como um borrão comprido e claro, em dois quadros antes de bater na cabeça de Serra, e em vários quadros depois, já com velocidade bastante diminuída.

500 milissegundos? Wow! (o que é milissegundo?)

Num vídeo a 13 fps, 77 milissegundos por quadro, a fita adesiva apareceria em aproximadamente 6 quadros durante 462 milissegundos.

Mas se os quadros fossem captados a cada 500 milissegundos ou meio segundo (2 fps), o suposto objeto apareceria em apenas UM frame. Perceberam porque os “500 milissegundos” do laudo? Este lapso surgiu de onde?

Este é o tempo em que um determinado quadro fica fixo na tela, em função de um zoom e fusão de imagem feita possivelmente pela Folha.com em seu vídeo. Mas é resultado de edição, não da taxa de quadros por segundo do celular. Os quadros estão todos ali, registrados a 13 fps. Só o tempo foi alterado. Além disso, Molina não analisou o vídeo do endereço que colocou no laudo. Na matéria do Jornal Nacional, ele mostra um vídeo sem a legenda do repórter e a vinheta da Folha.

Este simples procedimento mostra que o laudo do perito em áudio Molina comete um erro grosseiro, incompatível com alguém com conhecimentos em vídeos digitais ou analógicos. Foi descuido ou foi proposital? Como um perito com perfil tão laudatório na Wikipedia (estranhamente enriquecido por  desconhecidos e por um Darth Vader paulista, logo depois do laudo) poderia ter cometido este erro?

Leia mais

  1. A grande armação pró-Serra do Jornal Nacional.
  2. Bolinha no Serra: segundo perito adultera vídeo.

Caveat

Esta investigação não prova que o candidato Serra não foi atingido por fita adesiva, apenas prova que o vídeo apresentado em matéria de 7 minutos pelo Jornal Nacional não mostra o suposto ataque.

Bibliografia

  1. MOLINA, R. SERRA_LAU_IMAGENS_TV GLOBO_LAU.doc. Laudo solicitado pela TV Globo sobre vídeo de passeata de José Serra. Documento PDF disponível em <http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/10/molina-divulga-laudo-sobre-videos-de-evento-em-que-serra-e-agredido.html>. Acesso em: 23 out. 2010.